Advertisement

Problema no antigelo faz Boeing pedir isenção na certificação do 737 MAX 7

Boeing 737 MAX antigelo

A Boeing pediu à Administração Federal de Aviação que isentasse o 737 Max 7 de várias regras de certificação devido a um problema envolvendo superaquecimento do sistema antigelo do motor.

Conforme relatado pela primeira vez pela FlightGlobal , a Boeing apresentou seu pedido à Administração Federal de Aviação ( FAA ) em novembro, durante suas tentativas de superar os obstáculos regulatórios finais da certificação do Boeing 737 MAX 7 . Um aviso da FAA divulgado ontem afirma que a Boeing solicitou uma isenção parcial de certas regras no que se refere à estrutura de entrada da nacela do motor e ao sistema antigelo do motor.

Em agosto, a FAA emitiu uma Diretriz de Aeronavegabilidade (AD) alertando os operadores do MAX sobre o uso do sistema antigelo do motor em ar seco. A AD surgiu após testes em voo, que descobriram que a implantação do sistema antigelo por mais de cinco minutos sob condições específicas levou ao superaquecimento e danos à tampa de entrada.

Todos os jatos 737 Max são movidos por motores CFM International Leap-1B, mas a General Electric, parceira da CFM, enfatiza que o problema está centrado na entrada, que faz parte da fuselagem, e não está relacionada ao motor.

O uso do sistema antigelo do motor em ar seco por mais de 5 minutos, diz a FAA, pode causar superaquecimento do cilindro interno de entrada além do limite de design do material.

Leia também: 

 

 

Quer receber nossas notícias em primeira mão? Clique Aqui e faça parte do nosso Grupo no Whatsapp ou Telegram.